Publication:

Pequenas Empresas Grandes Negocios - 2021-10-09

Data:

SAÚDE e BEM-ESTAR

ENSINO DE IDIOMAS

TEXTO PATRÍCIA TRUDES DA VEIGA ILUSTRAÇÃO HAUS OF RECORDS

Impactado positivamente pela pandemia, o setor de saúde e bem-estar fechou 2020 em alta: 3,1% no faturamento e 0,4% em unidades, em relação a 2019, segundo a Associação Brasileira de Franchising. Com viagens e atividades sociais interrompidas por tempo indeterminado, as pessoas aproveitaram a quarentena para adotar rotinas de autocuidado e cuidar da forma física e mental. Para Filomena Garcia, sócia do Grupo Cherto, foi o momento de “compensar privações com aconchego e prazer e um olhar para o conforto e o bem-estar da família – assim como aconteceu com os setores de casa e construção”. Mesmo com academias, clínicas, salões e spas fechados ou operando com restrições, “nas oportunidades possíveis houve quase que uma corrida a esses serviços, bem como não deixaram de existir alternativas de atendimento domiciliar em muitos casos”, diz Paulo Ancona Lopez, sócio da Ancona Consultoria. Para isso, muitas redes fizeram ativação de cupons válidos por um ano. Também para atrair clientes, criaram protocolos rígidos de distanciamento social e higienização. Segundo a especialista, o desafio agora é manter esse padrão que atraiu o consumidor, com diferenciais como atendimento individualizado e hora marcada. Com menos usuários vinculados a planos de saúde, a tendência é de crescimento de clínicas médicas e odontológicas populares, afirma Ancona Lopez. Não há setores saturados, diz a sócia do Grupo Cherto: “Sempre haverá mercado para boas ideias com grandes diferenciais; mas não para ser mais um do mesmo”. FIQUE DE OLHO A expansão das clínicas de estética está provocando uma guerra de preços que pode levar muitas unidades a resultados negativos, diz Ancona Lopes: “É preciso cada vez mais oferecer serviços melhores para tirar a marca da situação de commodity, pois aí prevalecerão os preços mais baixos – e isso pode ser perigoso. Por outro lado, a forma comercial agressiva e facilitada da maioria das redes trouxe clientes de menor poder aquisitivo”.

Images:

© PressReader. All rights reserved.