Publication:

Pequenas Empresas Grandes Negocios - 2021-10-09

Data:

PRESENTE

RE/MAX BRASIL

O que aconteceu depois foi uma surpresa, conta a dentista Tatiane Machado, 39 anos, proprietária de quatro franquias da Sorridents. “A gente conseguiu crescer nesse período [de crise sanitária].” Para ela, o aumento tem a ver com o impacto que a pandemia trouxe para o indivíduo, “de pensar que tudo pode mudar a qualquer momento” e que o cuidado com a saúde, incluindo a bucal, é importante. Outro motivo é que, trabalhando em casa, as pessoas teriam mais flexibilidade para agendar seus tratamentos. A variação positiva foi percebida na rede como um todo, que ganhou 600 mil novos pacientes, segundo Carla. A Sorridents conta hoje com 6 milhões de clientes, distribuídos entre 20 estados e o Distrito Federal. Esse incremento se refletiu de diversas formas. Para Vieira Netto, mesmo com o resultado negativo do início, o retorno do investimento de sua segunda loja chegou em 19 meses – a média, segundo a empresa, é de 22. “É uma unidade que performa muito bem e que tem 25%, até 35% de lucro líquido”, diz ele, que já pagou a taxa de franquia de sua terceira unidade, com previsão de abertura em 2022. O economista faz parte dos 40% de franqueados que são de outras áreas de formação que não a odontologia. No início, Carla “achava que, para ter uma clínica, precisava ser dentista”. Hoje, os requisitos são ter visão empreendedora e disponibilidade para estar à frente do negócio.

Images:

© PressReader. All rights reserved.