QUANDO o HOBBY VIRA NEGÓCIO

Rodolpho Barrozo fatura R$ 500 mil vendendo churrasqueiras pela internet e prevê triplicar a receita em 2021

TEXTO PAULO GRATÃO

2021-12-02T08:00:00.0000000Z

2021-12-02T08:00:00.0000000Z

Infoglobo Conumicacao e Participacoes S.A.

http://revistapegn.pressreader.com/article/281487869631385

FRONT END GASTRONOMIA

Se feliz é aquele que faz de seu hobby seu ofício, aos 38 anos, Rodolpho Barrozo é um bem-aventurado. Ex-vendedor de carrocerias de caminhão, depois de um longo período desempregado, ele transformou a paixão por churrasco em negócio e fundou a Brava Churrasqueiras, há cerca de dois anos. O insight para a criação da empresa veio quando Barrozo decidiu comprar uma churrasqueira estilo parrilla – modelo em que a queima do carvão ou da lenha é feita separadamente, de modo que a fumaça não interfira no aroma e sabor da carne, muito usado na Argentina e no Uruguai. Abismado com os preços, altíssimos, resolveu construir seu próprio “brinquedo”. Feito o projeto e comprado o material, pediu para um caldeireiro construir a peça. O colega topou na hora, mas com uma condição – que ele ganhasse uma de presente. As duas saíram por cerca de R$ 600. Com o produto pronto, Barrozo convidou amigos e parentes para um churrasco em sua casa, na cidade de Lins, no interior paulista. Foi um sucesso. “Um colega que tinha visto a churrasqueira pediu a minha e a do meu amigo emprestadas para levar a um evento e, para minha surpresa, duas pessoas vieram e compraram as churrasqueiras, com pagamento à vista.” Três mil reais as duas. Havia uma oportunidade de negócio ali. Pouco tempo depois, em outra festa, veio a encomenda de 15 unidades. Dessa vez, para São José do Rio Preto. Barrozo propôs sociedade ao amigo caldeireiro, mas ele não aceitou – tinha outros compromissos. Confiante em seu protótipo, encarou o desafio e se lançou sozinho na aventura do empreendedorismo. Estudou sobre materiais e processos necessários para a fabricação em escala e, principalmente, aprendeu sobre vendas online – um assunto que não dominava. “Começamos o barracão do zero, eu chamava soldador e pagava pela diária. Até que começou um ciclo de vendas. Paralelamente, à noite, ficava estudando sobre como divulgar produtos nas redes sociais”, lembra. No início, alguns serviços eram pagos por meio de permuta: a agência de publicidade que fez a identidade visual da marca, por exemplo, ganhou duas churrasqueiras. A empresa cresceu durante a pandemia. Só no ano passado, Barrozo vendeu cerca de 500 unidades em projetos personalizados e teve faturamento acima de R$ 500 mil. No primeiro semestre de 2021, a empresa já superou esse montante e projeta fechar o ano com R$ 1,5 milhão. Hoje, as vendas são feitas via redes sociais, site próprio e marketplaces, como Amazon e Shopee. Os planos de Barrozo para o futuro? Exportar.

pt-br