FOCO NA SUSTENTABILIDADE

2022-05-05T07:00:00.0000000Z

2022-05-05T07:00:00.0000000Z

Infoglobo Conumicacao e Participacoes S.A.

http://revistapegn.pressreader.com/article/282286733847173

DATA BASE - OS NOVOS NEGÓCIOS FAMILIARES

Durante o isolamento social, a conversa sobre os fatores ESG (sigla em inglês para sustentabilidade, social e governança), que já eram amplamente debatidos pelas novas gerações, ganhou ainda mais força. Uma pesquisa feita pela consultoria PwC com 2,8 mil empresas no mundo mostrou que é apenas uma questão de tempo para consumidores, investidores, credores e governos começarem a punir severamente aqueles que não adotarem programas com esses compromissos. Segundo o estudo, 60% das empresas familiares sob a liderança da quarta geração estão propensas a incorporar a sustentabilidade na tomada de decisões, e 83% já adotam procedimentos de governança. “Os jovens estão buscando inovação e propósito para os negócios e contribuindo para sua perpetuação”, afirma Helena Rocha, sócia da PwC Brasil. “O mercado consumidor vem exigindo isso, ao procurar saber se as empresas estão fazendo a compensação de carbono, se demonstram preocupação com questões sociais e como as embalagens são feitas.” ESG é tão importante para o sucesso do negócio quanto ter um produto de qualidade, investir em tecnologia, oferecer um bom atendimento ou planejar a expansão. Para o empreendedor que nunca refletiu sobre o tema ou começa agora a despertar para sua importância, a preocupação é saber quanto tudo isso pesará no bolso. “É preciso desmistificar o ESG e mostrar que não se trata de uma coisa nova”, afirma Dalton Sardenberg, da Fundação Dom Cabral. “Alguns anos atrás as empresas usavam termos como filantropia, responsabilidade corporativa e sustentabilidade. A diferença agora é que isso tudo está agrupado numa única sigla.” Ele recomenda fazer um mapeamento de todas as iniciativas adotadas pela empresa antes de gastar, incluindo as mais simples, como coleta seletiva de lixo, uso da água da chuva para lavar o chão da fábrica, parcerias com entidades assistenciais e organização de processos internos. É provável descobrir que não será necessário começar do zero, mas reordenar o que já existe de forma estruturada e avaliar a adoção de novas práticas. “É muito mais do que de uma questão de sair bem na foto.”

pt-br