TRANSPARÊNCIA EM QUALQUER TAMANHO

2022-05-05T07:00:00.0000000Z

2022-05-05T07:00:00.0000000Z

Infoglobo Conumicacao e Participacoes S.A.

http://revistapegn.pressreader.com/article/282338273454725

DATA BASE - OS NOVOS NEGÓCIOS FAMILIARES

Governança corporativa é um conjunto de práticas, princípios e valores que determinam as principais diretrizes de uma empresa. Abrange regras de convivência dos sócios, herdeiros e familiares; as atribuições dos membros do conselho; métodos de fiscalização e controle, como auditorias internas e externas; e a definição dos objetivos visando o desenvolvimento econômico e sustentável. Um bom modelo de governança permite uma gestão mais eficiente e melhor retorno financeiro, além de reduzir riscos. A governança corporativa não deve ficar restrita às grandes empresas. “Se você é MEI e conta com um funcionário, não precisa se preocupar com isso agora. Mas, se possui uma microempresa e trabalha com o cunhado, tem de definir desde o início uma série de questões, como o que fazer com o lucro ou como decidir se vale ou não a pena abrir uma nova loja”, afirma Sebastian Soares, da KPMG. A complexidade da governança aumenta de acordo com o crescimento da empresa e a necessidade de adotar normas e processos internos que definam o papel de cada pessoa. Cris Bianchi, do IBGC, ressalta que há organizações com protocolos de 200 páginas, enquanto outras não precisam de mais do que cinco. Os princípios fundamentais são os mesmos: transparência com todas as partes envolvidas na empresa, equidade de tratamento, prestação de contas e responsabilidade corporativa para garantir a viabilidade econômica e financeira. “A governança familiar deve servir de fórum de debates, conflitos e demandas”, afirma. “Diminui a pressão sobre o controlador, estabelece um diálogo franco e define pontos em comum.” Empresas com boas práticas de governança corporativa têm mais instrumentos para enfrentar crises e tomar decisões rápidas, pois os fóruns de discussão estão claramente definidos. “Cerca de dois terços das empresas familiares não chegam à terceira geração porque existem muitos conflitos internos”, ressalta Helena Rocha, da PwC. “A abordagem mais profissional de governança tira a emoção da equação, define protocolos de direitos e deveres e protege a organização familiar.”

pt-br