INGREDIENTE PROTAGONISTA

Restaurante em São Paulo tem cardápio dedicado ao avocado, com pratos que vão de bowls a sanduíches

TEXTO REBECCA SILVA

2022-07-28T07:00:00.0000000Z

2022-07-28T07:00:00.0000000Z

Infoglobo Conumicacao e Participacoes S.A.

http://revistapegn.pressreader.com/article/281509344934691

FRONT END | ALIMENTAÇÃO •

Em oito anos empreendendo no ramo da gastronomia, Brendon Peters, 40 anos, pegou gosto pelos negócios nichados. Em 2014, junto com um amigo da faculdade, ele criou a rede Juanito’s, especializada em empanadas argentinas. O sucesso do negócio motivou os dois a investir mais uma vez na temática do país vizinho. Abriram o Chimi Choripanes, dedicado ao choripán – sanduíche de linguiça típico dos hermanos –, em 2018. Com a experiência acumulada nos dois empreendimentos, Peters não demorou a notar outra oportunidade: a febre do avocado toast. “Cidades cosmopolitas estavam começando a ter restaurantes com o avocado como temática principal. O fruto é versátil, pode entrar em todo tipo de prato, do sushi ao sanduíche”, conta. Em dezembro de 2020, Peters se uniu a quatro sócios para apostar na ideia. Com um investimento de R$ 500 mil, abriu o Avoca Toast, um restaurante especializado no fruto, localizado na Vila Madalena, em São Paulo (SP). Apesar de parecido, o avocado tem sabor e textura diferentes do abacate, comumente consumido no Brasil in natura ou em pratos doces. A variedade utilizada em receitas salgadas tem menos água e mais gordura e óleos, com textura mais cremosa. O cardápio explora a versatilidade do ingrediente e inclui pratos como tostadas, sanduíches e bowls. Segundo o empreendedor, o foco em um item traz várias vantagens. “Você pode se dedicar à parte de compras, estreitando a relação com fornecedores. A demanda é muito capilarizada em São Paulo e, com um nicho determinado, é mais fácil encontrar seu lugar ao sol”, afirma. Inicialmente, o funcionamento do Avoca Toast se deu praticamente 100% por entregas, pelas restrições impostas pela pandemia. “Conseguimos impactar muita gente pelas redes sociais, e as pessoas se aventuraram mais com o delivery”, diz o empreendedor. Hoje, os clientes podem também consumir os pratos em um pequeno espaço externo da casa, que funciona sem atendimento de salão. Favorecido pela localização em uma região turística, próxima ao Beco do Batman, na Zona Oeste da capital paulista, o local atrai uma gama variada de clientes, segundo o fundador. “É um polo turístico muito frequentado por estrangeiros e expatriados que já conhecem o produto.” No primeiro ano, o restaurante faturou R$ 2 milhões. Em 2022, a estimativa é abrir mais uma unidade em São Paulo para se aproximar de clientes da região da Zona Sul, que atualmente precisam pagar taxas mais altas de entrega.

pt-br